As represas que romperam durante a enxurrada que alagou 40% da cidade de Paragominas, sudeste do estado, há uma semana, eram clandestinas. De acordo com o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Pará (Crea-PA), não há qualquer registro de Anotação de Responsabilidade Técnica das barragens construídas na cidade, documentação obrigatória para garantir a segurança de qualquer tipo de obra.

“As barragens, tanto naturais quanto as construídas, têm influência, não deram causa [ao desastre], mas têm influência, assim como todas as outras situações de risco que ocorrem”, diz Marcelo Santos, comandante da Defesa Civil do Estado.

A Prefeitura de Paragominas não divulgou quantas barragens romperam, mas informou que algumas existem há mais de 30 anos e não têm licença para funcionar. “Não podemos ficar omissos a isso. Vamos buscar duas coisas: primeiro, a responsabilização dos proprietários, e segundo, o cuidado para que não aconteça novamente”, diz Paulo Tocantins, prefeito de Paragominas.

O Governo do Estado enviou para o município, equipes da Companhia de Habitação do Pará (COHAB) para mobilizar recursos financeiros para a reconstrução e reforma de casas para a população que foi atingida através do Cheque Moradia. Enviou também uma equipe da Secretaria de Estado de Assistência Social (SEASTER) para realizar um levantamento para a concessão do benefício eventual no valor de um salário mínimo por 3 meses.  (G1/PA)

Uma colisão entre duas carretas na BR-155, saída de Rio Maria com sentido a Redenção, por volta das 3 horas da madrugada desta quinta-feira (19) de abril, ceifou a vida de um dos motoristas da carreta de nome Edesio Reis, 46 anos. Com informações de Luiz Pereira

O Governo do Pará e o governo federal trabalharão juntos no combate à criminalidade no Estado. O secretário de Segurança Pública e Defesa Social, Luiz Fernandes, se reuniu nesta terça-feira (17) com o ministro Extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, em Brasília (DF), para definir uma série de ações que podem ser desenvolvidas de forma conjunta na área de segurança.

Algumas sugestões feitas anteriormente pelo governador Simão Jatene ao ministro foram tema do encontro e aceitas por Raul Jungmann, dentre elas o fortalecimento das polícias Federal e Rodoviária Federal no Pará. “Sugerimos, e o ministro concordou, com a reativação imediata dos postos da Polícia Rodoviária Federal no Estado”, disse o secretário Luiz Fernandes. “Esses postos são importantes porque têm um trabalho ostensivo de combate à entrada de armas e drogas no Estado”, afirmou o secretário.

O deputado federal Arnaldo Jordy (PPS/PA) participou do encontro. Segundo ele, “a situação da segurança é gravíssima no Brasil inteiro e não poderia ser diferente no Pará”. Para o deputado, “os estados não dão mais conta, sozinhos, de enfrentar o crime, que já é transnacional”.

A implantação de um Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública em Belém também foi tema do encontro. O ministro confirmou a implantação do centro e disse ter ficado feliz em saber que o Pará já vinha trabalhando para instalar um centro com esse formato de integração dos sistemas estaduais de inteligência.

O anúncio do governo federal reforça a perspectiva de um trabalho pactuado na área de segurança. O secretário apresentou ao ministro propostas de espaços físicos que podem receber o centro, como contrapartida imediata do Estado na ação, além do efetivo que será empregado em conjunto com o trabalho federal. “O centro integrado já está com sua instalação adiantada pelo Governo do Pará”, ressaltou o secretário. “Por isso, a instalação no Pará será mais rápida, algo em torno de 40 dias”, completou.

A rede de Centros Integrados de Inteligência de Segurança Pública é composta por agentes de inteligência de todos os estados, além da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). O objetivo é unificar a ação de combate ao crime organizado.

Luiz Fernandes disse ainda que o Pará já tem como prática “o trabalho conjunto entre as forças de segurança, unindo as polícias Civil e Militar, além do Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil”.

Por Pascoal Gemaque

Um adolescente de 14 anos tirou a própria vida, na tarde deste domingo 15 de abril 2018 em Rio Maria, Sul do Pará.

A policia militar de Rio Maria foi informada de que um jovem havia tirado a própria vida e ao chegar ao local indicado, a equipe policial constatou a veracidade da informação.

Segundo a PM, o jovem estava pendurado por cinto amarrado em uma vigota da área da Kit Net. A Policia Militar acionou a Policia Civil, para que fosse realizada uma pericia no local.

Segundo o Delegado Titular de Policia Civil de Rio Maria, Dr. Carlos Cesar, a Policia a civil já iniciou o trabalho de investigação, para tentar elucidar o caso. De acordo com Cesar, a linha de investigação a ser seguida é a de suicídio, porém nenhuma hipótese será descartada. Ainda não se sabe a motivação que levou o adolescente a se matar. (Com informações das Policias Civil e Militar; Beto Siqueira)

FOTO: RODOLFO OLIVEIRA / AG. PARÁ

Eles vêm entoando cantos, em danças cadenciadas. A pele é pintada e os corpos estão cobertos por vestimentas típicas, feitas de miçangas, penas de animais e sementes de frutos. Exibem a exuberante força, que vem do coração, prontos para mais uma Semana dos Povos Indígenas. O maior evento do gênero no Estado começou neste domingo (15), com a chegada das cerca de 70 embarcações que se encontram no cruzamento dos rios Xingu e Fresco, na orla da cidade de São Félix do Xingu, sudeste do Pará. É nesse ponto, sob a vista de centenas de pessoas, que os índios das 21 aldeias do município se unem em um congraçamento para celebrar a cultura e provocar debates em torno de direitos que querem conquistar.

Os índios que chegam pelo rio são os Kayapó, povo que recebeu a primeira edição do evento, há seis anos. A importância da pauta, porém, é tamanha que a Semana Indígena tomou outras proporções. Hoje, 12 etnias participam do encontro, cujo tema, este ano, é o empoderamento da mulher feminina. Para adensar o debate, foi convidada Sônia Guajajara, uma das mais importantes líderes indígenas da atualidade, que deu o recado na noite deste domingo durante reunião com caciques na Câmara Municipal. “Precisamos discutir a representatividade da mulher indígena entre nós, nas aldeias, mas também na sociedade brasileira. Unidos somos mais fortes para lutar por direitos, entre eles a reconquista de territórios que foram sendo perdidos ao longo dos anos”.

A reunião na Câmara Municipal é o momento em que os caciques discutem a programação, expõem anseios, dão sugestões e recebem os kits esportivos que serão usados durante os jogos. O encontro – quando também são repassadas orientações e informes sobre o esquema de segurança, as ações sociais e a dinâmica dos encontros – ocorre logo depois da chegada das tribos. “Estamos aqui para definir com eles como será a semana. O objetivo é assegurar o clima de harmonia e garantir que eles tenham acesso a todos os serviços que estarão disponíveis”, explica a organizadora do evento, Viviane Cunha.

Serviços

As equipes do Estado que vão prestar os mais diversos serviços aos índios e à comunidade já estão a postos em São Félix do Xingu. Defensoria Pública, Pro Paz, secretarias de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), de Saúde Pública (Sespa), de Turismo (Setur), de Esporte e Lazer (Seel), de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) e de Comunicação (Secom), polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros se unem para levar ações diversas, como emissão de documentos, atendimentos de saúde, ações de segurança, oficinas de arte e cultura e orientações jurídicas. São mais de 60 servidores do Estado presentes na força-tarefa. Entre os cursos ofertados, estão os de texto, fotografia e audiovisual, que serão ministrados por monitoras do projeto Biizu, da Secom.

A abertura oficial da Semana dos Povos Indígenas será nesta segunda-feira (16), às 19h, com apresentações culturais, exposição de artesanatos e show da cantora Maria Gadu. Só que às 7h30, os índios já participam dos jogos, em pontos diversos da cidade. Entre as modalidades estão atletismo, futsal, vôlei, futebol e arco e flecha. E mais: será eleita a Beleza Indígena, concurso com a participação de mulheres de todas as tribos. O evento termina no Dia do Índio, quinta (19), com uma caminhada pelas principais ruas de São Félix do Xingu.

Por Luiz Carlos Santos

AÇÃO CÍVICO SOCIAL – PM 200 ANOS FOI FESTEJADO EM OURILÂNDIA DO NORTE

Neste dia 15 de abril de 2018 foi realizada pelo 36º BPM do Sul do Pará a Ação Cívico Social em alusão aos 200 anos da Polícia Militar do Pará.

A Ação Cívico Social aconteceu na Quadra de Eventos da Maçonaria de Ourilândia do Norte, iniciando com um Culto de Ação de Graças ministrado pelo Pastor Moisés Soares e após sendo servido um café da manhã ao público.

Diversos Stands foram montados na quadra onde destacamos a exposição do armamento/equipamento do Grupo Tático Operacional/36º BPM, informações e serviços das várias atividades desenvolvidas pelo CREAS de Ourilândia do Norte; exposição e atendimento do Conselho Tutelar de Ourilândia do Norte/PA; além da participação de pequenas empresas e profissionais liberais prestando vários serviços ao público presente.

O Evento organizado por oficiais e praças da Unidade, sob a coordenação do Comandante do 36º BPM, TEN CEL FRANÇA, recebeu autoridades estaduais e municipais (Deputado Estadual Miro Sanova, CEL PM RR Osmar Nascimento, Vereadores e Secretários Municipais de Ourilândia do Norte), parceiros e colaboradores da Unidade, familiares e amigos de policias militares pertencentes ao efetivo do Batalhão.

Todos os serviços foram disponibilizados gratuitamente a população. ( por Tiago Araújo/ Fotos: Sd Carlos Gomes – PM )

 

As últimas chuvas em Marabá_PA e todo sul é Sudeste paraense vem provocando efeitos nunca antes visto veja abaixo imagens feitas ainda a pouco sobre a Folha 33 na Nova Marabá nos arredores do Atacadão Carrefour.

Fotos: Hudson Jr

 

Por 7 votos a 4, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram hoje (12) negar o pedido de liberdade protocolado pela defesa do ex-ministro Antônio Palocci, preso desde setembro de 2016 na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, devido às investigações da Operação Lava Jato.

No ano passado, Palocci foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 12 anos, dois meses e 20 dias de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em um dos processos a que responde no âmbito da Lava Jato.

A maioria de votos foi formada com base no voto do relator, proferido na sessão de ontem (11). Fachin entendeu que há risco para a ordem pública, caso o ex-ministro seja libertado. Para o ministro, Palocci ainda tem influência e parte dos recursos que foram desviados ainda não foi recuperado. “Esse cenário revela periculosidade concreta do agente, circunstância que evidencia fundado receio de práticas de futuras infrações”, entendeu o relator.

Segundo a Defesa Civil, 21 municípios registram situação de emergência por causa das chuvas no Pará. A chefe de Atendimento à Comunidade, major Ciléia Mesquita, diz que a situação persiste desde o mês de dezembro, quando foram registrados alagamentos, enxurradas e inundações. “A previsão é de mais chuva até o mês de maio nas regiões oeste, sul e sudeste do Estado, que são as mais atingidas pelas chuvas.

A Defesa Civil Estadual está monitorando a situação com boletins meteorológicos e auxiliando as defesa civis municipais no atendimento às pessoas atingidas”, explica.

Paragominas

Uma sala de gerenciamento de desastres coordena, no comando geral do Corpo de Bombeiros, em Belém, as ações de atendimento às famílias atingidas pela chuvas em Paragominas, no sudeste do Pará. As ações envolvem a Defesa Civil, as secretarias de Estado de Transportes (Setran), de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster) e de Saúde Pública (Sespa), além da Fundação Pro Paz. Até o momento, são 300 familias atingidas, 14 bairros alagados e duas mortes registradas.

O rio transbordou quatro metros acima do nível normal, estendendo-se para a parte baixa da cidade, desalojando muitas famílias, que estão sendo remanejadas para o ginásio de esporte da cidade e algumas escolas locais. Em situação de desastre, a resposta imediata é do município. “Devido à proporção das chuvas, desde o primeiro momento o Estado já se apresenta por meio do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil”, ressalta o comandante.

Um helicóptero foi enviado pela Defesa Civil à cidade, onde foi montada uma sala de situação. Os trabalhos são coordenados, de Belém, pela Diretoria de Gerenciamento de Desastres. “Há indícios de que existem desaparecidos. A busca está sendo feita pelas equipes de grupamento e salvamento”, informou o coronel Augusto Lima. “Nossa responsabilidade aqui na sala de gerenciamento, na capital, é aglutinar todos os eforços para que o atendimento seja feito o mais rápido possível”.

Fundou, juntamente com suas filhas e algumas amigas, a ASSOCIAÇÃO PRO- MULHER e ali construiu uma escola que atendia a todos indistintamente, tendo apoio na época da Colonizadora Construtora Andrade Gutierrez.

Com Informações de Roney Wydiamaior

É com sentimentos de pesar que o Prefeito, Adelar Pelegrini lamenta o falecimento de nossa querida amiga Dona MARIA EDITH WOBETO CARRAVETA, ocorrido nesta manhã (12/04/2018) em Tucumã, de causas naturais. Ela parte deixando-nos muitas lições de amor, amizade, ética e humanidade.

Nascida no estado do Rio Grande do Sul. Dona Edite, como era chamada, chegou em Tucumã em março de 1984 e desde então percebeu a necessidade de ajudar a seus próximos e começou a se envolver no social.

Fundou, juntamente com suas filhas e algumas amigas, a ASSOCIAÇÃO PRO- MULHER e ali construiu uma escola que atendia a todos indistintamente, tendo apoio na época da Colonizadora Construtora Andrade Gutierrez. Achando que poderia fazer ainda mais, e preocupada com seu próximo, fundou a primeira escola que abrigava portadores de necessidades especiais, levando esse projeto ao então prefeito João Roberto da Silva que deu seu aval e apoio a iniciativa.

Ainda no social Dona Edite fez a doação de uma área de terra para ser implantada a Fazenda da Esperança entidade ligada a Igreja Católica. Recebeu no ano de 2014 homenagens com o seu nome o Centro de Referência Especializado de Assistência Social de Tucumã (CREAS). Foi outorgada pela a Câmara Municipal Título de Cidadã Tucumaense. Entre outras atribuições.

Sua falta será profundamente sentida por todos devido a grande contribuição que deu para o desenvolvimento do município de Tucumã. Mulher dedicada à família, ao trabalho e ainda dispunha de seu tempo para se dedicar às causas sociais.

D. Edith era incansável no convívio nesta comunidade e se manteve sempre de braços abertos a apoiar quem dela necessitasse. Deixa 03 filhos, 06 netos e 03 bisnetos.

Na PA-275, no sudeste do Estado, a Setran mantém equipes e máquinas para fazer a retirada da terra após novas chuvas, mantendo as condições de trafegabilidade Foto:Setran

Após as fortes chuvas que têm prejudicado o acesso e a trafegabilidade em algumas rodovias do Pará, a Secretaria de Estado de Transporte (Setran) já identificou e iniciou as ações para recuperar a trafegabilidade das vias. O monitoramento da Secretaria é contínuo e acontece em mais de 7.000 km para garantir, principalmente, o direito de ir e vir dos cidadãos.

Até o momento, sete rodovias estão com problemas. A PA-127 teve a interrupção de uma faixa da via em dois trechos. No Km 1, de Igarapé-Açu a Maracanã e no Km 16, da BR-316 a São Domingos do Capim. A interrupção ocorreu após o rompimento das cabeceiras dos bueiros de drenagem. No local, ações emergenciais estão sendo planejadas.

Na PA-380, do trecho da BR-361 a Bonito, uma tubulação elevou parte da pista, que foi interrompida, funcionando apenas uma faixa. A situação será analisada para realizar o planejamento da intervenção. Há risco de rompimento total da pista, que encontra-se sinalizada no local de interdição.

Já na PA-275, o deslizamento de terra ocorrido ainda interrompe uma faixa da pista, no km 11 entre Eldorado do Carajás e Curionópolis. A Setran continua com equipes e máquinas no local, que retiram a terra após novas chuvas, mantendo, assim, as condições de trafegabilidade.

No trecho de São Geraldo do Araguaia a Piçarra, na PA-477, as fortes chuvas e o movimento intenso de caminhões de carga estão provocando atoleiros. Uma equipe da Setran está no local para dar condições de trafegabilidade ao trecho. Estão sendo construídos desvios nos pontos de alagamento. A Rodovia, que estava passando por obras de pavimentação, está com as obras interrompidas por conta das fortes chuvas.

No Km 12 da PA-256, no trecho entre a BR-010 e o Rio Capim, houve um rompimento, mas que não impediu o acesso a Paragominas por conta de uma forte enxurrada na madrugada desta quinta-feira (12). A rodovia acabou de ser reconstruída, estando em fase de finalização do meio fio.

A PA-279, que liga os municípios de Água Azul do Norte, Tucumã, Ourilândia do Norte e São Félix do Xingu; a PA-327, que atende os municípios de Conceição do Araguaia e Santa Maria das Barreiras; a PA-449, que passa pelos municípios de Pau d’Arco, Floresta do Araguaia e Conceição do Araguaia; a PA-463 em Santa Maria das Barreiras e Santana do Araguaia; a PA-287 em Cumaru do Norte, Redenção e Conceição do Araguaia e a PA-447 em Conceição do Araguaia, estão recebendo serviços preventivos de conservação.

Pontes

Na PA-125, duas pontes localizadas no perímetro urbano de Paragominas, inauguradas no final do ano passado, foram cobertas pelas águas do Rio Uruaim, assim como uma ponte localizada na PA-256.

Na semana passada, o Governo do Estado decretou situação de emergência em 15 municípios paraenses, em virtude das fortes chuvas que têm caído em toda a região Norte. O período tem aumentado os índices pluviométricos desde o início deste ano, causando o transbordamento de rios e inundações em várias localidades.

Equipes da Defesa Civil estadual tem acompanhado de perto a situação. A medida, que entra em vigorar por 180 dias, foi decretada nos municípios de Água Azul do Norte, Bannach, Conceição do Araguaia, Cumaru do Norte, Eldorado do Carajás, Itupiranga, Marabá, Oriximiná, Redenção, Pau D’Arco, Rio Maria, São Félix do Xingu, Santa Maria das Barreiras, Tucumã e Xinguara.

Por Heloá Canali

Foto: Ascom / PRR1

Representantes das comunidades manifestaram preocupação com três empreendimentos da mineradora

“Este é um momento decisivo para os Xikrin”, avaliou o procurador regional da República Felício Pontes Jr ao receber mais de 150 indígenas de todas as idades na Procuradoria Regional da República da 1ª Região (PRR1), nesta terça-feira (10). Representantes da comunidade manifestaram preocupação com três empreendimentos da mineradora Vale que causam impacto aos Xikrin no Pará: a estrada de ferro Carajás, o projeto S11D e Onça Puma. Todos eles são discutidos em processos junto ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1).

Em relação à estrada de ferro Carajás, os indígenas entregaram ao Ministério Público Federal (MPF) projeto para gestão sustentável de recursos provenientes de indenizações da Vale, que opera na região do rio Cateté, no Pará. No próximo dia 18, a Funai deve se posicionar sobre a questão. Atualmente, os recursos são repassados às associações indígenas dos Xikrins, mas sentença de primeira instância determinou prazo para manifestação da Fundação Nacional do Índio (Funai) sobre a criação de programa para a gestão dos recursos.

Segundo advogados das associações, não houve participação das comunidades na elaboração do projeto. A antropóloga Luciana Ramos, da Câmara de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais (6CCR) do MPF, ponderou que seria um retrocesso retirar a autonomia da comunidade em gerir esses recursos. As associações indígenas dos Xikrin, em parceria com Universidade Federal do Pará (UFPA), desenvolveram pré-projeto para gestão dos recursos, ora apresentado ao MPF e que também será levado à Funai. A proposta prevê a criação de fundo de investimento para gerir os repasses da Vale.

Segundo o procurador regional Felício Pontes Jr, o que está em jogo são as gerações futuras, os filhos e netos dos Xikrins, para que não fiquem sem acesso à saúde, educação, saneamento básico. “Nossa luta é para que o repasse continue, no mínimo, pelo tempo em que a Vale estiver atuando na região e causando impactos à comunidade, ou seja, prejudicando os Xikrin”, explicou.

Sem estudos

O Projeto S11D funciona desde 2016 sem estudo de componente indígena. Durante o encontro, os indígenas reclamaram que precisam ser ouvidos sobre o impacto do empreendimento na região. Segundo eles, há contaminação do rio que passa perto da comunidade e isso pode afetar a subsistência dos indígenas. José Diogo de Oliveira, advogado de uma das associações, explicou que a primeira instância da justiça também não foi favorável ao pedido, mas que esperam reverter a situação no TRF1. O processo está pronto para ser julgado, inclusive com parecer do MPF.

E são muitos os processos que envolvem a Mineração Onça Puma e os impactos sobre as comunidades indígenas. A questão foi parar inclusive no Supremo Tribunal Federal, onde houve algumas vitórias. O problema é que alguns mandados de segurança causaram retrocessos. No TRF1, as associações lutam para obter a suspensão do empreendimento e o pagamento de indenização compensatória no valor de R$ 1 milhão, por aldeia, até a implantação do plano de gestão econômica, prevista como condicionante do Licenciamento Ambiental.

Por/ Tiago Araujo Com informações da Assessoria de Comunicação do MPF/PA

Em apenas uma hora, choveu 110mm causando alagamentos por vários bairros. Órgãos municipais e estaduais fazem mapeamento dos bairros atingidos. Mortes foram confirmadas pelo Corpo de Bombeiros.

A Prefeitura de Paragominas declarou estado de calamidade pública devido as fortes chuvas, que atingiram a cidade, no sudeste do Pará, nesta quinta-feira (12). Em apenas uma hora, choveu 110mm causando alagamentos por vários bairros. O Corpo de Bombeiros confirmou a morte de duas crianças, que foram arrastadas pela força da água.

Todos os órgãos municipais foram mobilizados para atuarem nos locais de desastre e atender a população nos abrigos. Uma convocação de voluntários também já foi acionada para arrecadação de recursos junto à comunidade.

Sobre o abastecimento de água, a Agência de Saneamento (Sanepar) informa que houve rompimento de tubulação em pontos isolados, mas que os reparos estão sendo feitos. Até o início da tarde desta quinta, toda cidade terá o abastecimento de água restabelecido, segundo a agência.

 

De acordo com o Governo do Estado do Pará, o tenente coronel Francisco Cantuária, coordenador da Defesa Civil, enviou para o local uma equipe formada por mergulhadores de salvamento de águas rápidas. A instituição foi acionada às 5h desta quinta.

“As primeiras informações levantadas mostram que pelo menos 100 casas teriam sido atingidas depois de cinco horas de chuvas. Também há suspeita de um possível rompimento de barragens próximo a cidade”, afirma Cantuária. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente realiza um sobrevoo pela cidade para verificar se houve um rompimento de barragens próximo a cidade. por /G1/PA

Cratera na pista impede trânsito de veículos entre São Domingos do Araguaia e São Geraldo

Pelo menos sete trechos de rodovias federais e estaduais cederam na região sudeste do Pará nos últimos dias. E a mais nova interrupção se confirmou na manhã desta quinta-feira, 12, no km 45 da BR-153, que liga São Domingos do Araguaia a São Geraldo do Araguaia. O que chama atenção é que todas as situações ocorreram em menos de uma semana, deixando tanto o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) quanto a Secretaria de Estado de Transportes em alerta.

A força da enxurrada foi tão grande que acabou arrastando um caminhão que passava pelo local, na hora da abertura de uma cratera. Conforme o Dnit, a previsão é que a pista seja recuperada nesta quinta-feira (12), uma vez que o nível das águas estava muito alto, impossibilitando intervenções das equipes do departamento no momento da ocorrência.

Também ontem, quarta, metade da Rodovia Transamazônica (BR-230), entre a Nova Marabá e os loteamentos Cidade Jardim, Delta Park e Residencial Totalville, foi interditada. Parte da pista, que desde o início da semana estava perdendo sustentação, acabou cedendo com as últimas chuvas. O local, próximo à Associação Atlética do Banco do Brasil (AABB), foi coberto por uma lona pela empresa contratada para fazer a manutenção, e apenas um trecho da pista estava aberto ao trânsito.

O que chama atenção é que todas as situações ocorreram em menos de uma semana, deixando tanto o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) quanto a Secretaria de Estado de Transportes em alerta.

Por/Zedudu

Devidos as fortes chuvas no sul e sudeste do Pará nesta semana a BR 155 esta em estado de atenção em pontos onde a pressão das águas esta provocando erosão do asfalto em alguns ponto levando toda estrutura veja onde a PRF registrou 4 pontos de interdição por causa de alagamentos:

Km 332 da Br-155: parcialmente interditada
Km 324 da Br-155: parcialmente interditada
Km 156 da BR-155: totalmente interditada
Km 166 da Br-155: totalmente interditada

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), que está no local desde as primeiras horas de quarta-feira, uma equipe do DNIT, chegou por volta das 14h00 de ontem e trabalha intensamente pra resolver o problema. A previsão é de que metade da pista seja liberada a partir da 10h30 da manhã de hoje. Enquanto isso, o tráfego segue completamente paralisado.

Por/ Tiago Araujo

As fortes chuvas na região Sul do Pará na manhã desta quarta-feira 11/04 fez com que a BR 155 volte a ficar interditada, desta vez a rodovia cedeu nas proximidades do KM 166, entre Sapucaia e o Posto 70.

Segundo informações da ASCOM do DNIT equipes ja foram encaminhadas para o local para restabelecer o tráfego que já consta um longo congestionamento de veículos na importante BR para desenvolvimento da região.

Uma carreta foi consumida pela a cratera conforme registros fotográficos no local.

Por/ Tiago Araújo