O preço do boi gordo sofreu uma forte queda, de quase R$ 9 por arroba, na quinta-feira, 26, de acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). O indicador passou de R$ 286,90 para R$ R$ 278,30. É a primeira vez em 20 dias que a cotação fica abaixo de R$ 280.

O analista Fernando Iglesias, da Safras & Mercado, afirma que o movimento de desvalorização não é uma novidade e vem sendo observado. “Já vemos negócios em São Paulo entre R$ 275 e R$ 280 nos últimos dias”, diz.

Segundo ele, alegando margens operacionais muito apertadas, parte dos frigoríficos saiu do mercado, pressionando a arroba do boi gordo para baixo. “Já há indicação [nesta quinta] de negócios abaixo de R$ 275 para animais destinados ao mercado doméstico”, afirma.

Iglesias afirma que os preços da carne bovina no atacado não estão reagindo apesar da entrada do 13º salário, o que mostra que podem ter atingido um limite. “Com isso, a expectativa é de que os frigoríficos sigam fazendo esses testes e, com aderência dos pecuaristas, teremos negócios mais baixos”, pontua.

Tendência para o boi gordo
Para o começo de 2021, o analista da Safras afirma que é preciso ficar de olho na demanda. Além do consumo interno arrefecer nesta época, as exportações também tendem a ficar mais comedidas.

Com a oferta ainda limitada e o bom fluxo de exportação nesta última semana de novembro e na primeira semana de dezembro, a arroba do boi gordo pode até reagir, mas dificilmente vai chegar perto dos R$ 300 registrados no começo de novembro.

Apesar de longe do pico, o boi gordo deve seguir valorizado no próximo ano, refletindo a disponibilidade limitada de boiada e a necessidade de compra da China, que tem sido a principal compradora da carne bovina brasileira.

Canal Rural