“Nós estamos trabalhando”, “ninguém está roubando aqui, não”, se defenderam os trabalhadores sem-terra, antes de serem atingidos por balas disparadas por policiais militares. O grupo estava voltando ao acampamento do MST à margem da BR-155, em Xinguara, após coletarem castanha-do-pará na floresta, mais especificamente, em uma área de mata de Eldorado dos Carajás.

Os integrantes da Patrulha Rural do 23º BPM abordaram os trabalhadores, que estavam com sacas de castanhas nas costas, mandando que entregassem a carga, ameaçando de atirar. “Eu estou gravando”, tentou intimidar um deles, mas não foi o suficiente. Logo em seguida, ouvimos os barulhos dos tiros. Assista ao registro:

O promotor de Justiça Militar, Armando Brasil, informou que após analisar as imagens, decidiu pedir a prisão preventiva dos policiais envolvidos na ocorrência. Já Gledson Melo dos Santos, comandante do 23º BPM, ordenou a abertura de um IPM (Inquérito Policial Militar) e o afastamento dos envolvidos no baleamento.

Conforme apurou o blog Uruatapera, os PMs envolvidos se defenderam dizendo que empregados da Fazenda Surubim denunciaram que algumas pessoas tinham abatido gado e estavam transportando a carne em sacas e guiaram a patrulha ao local, sendo que ao encontrarem o grupo, diante da negativa dos sem-terra, o cabo atirou neles, usando elastômero (balas de borracha, munição menos letal) a fim de controlar a situação.

Após a revista verificaram que não se tratava de carne e sim de castanha. Também disseram que não houve necessidade de atendimento médico, porque os extrativistas foram atingidos nas pernas. Ainda de acordo com o relato do comandante do CPRII, o cabo Antar é “caveira” (cursou Operações Especiais) e na patrulha rural faz os recobrimentos em vicinais usadas nas fugas de assaltantes de bancos.

Nota da PM

Em nota, a Polícia Militar do Estado informou que os militares da Patrulha Rural do 23º Batalhão foram acionados para verificar uma ocorrência sobre furto e abate ilegal de gado na propriedade.

De acordo com a PM, no momento em que os militares realizavam incursões na área, eles teriam se depararam com um grupo que havia retirado castanhas da fazenda. “Eles estavam armados com facões”, informou.

A equipe policial teria dado ordem de parada para realizar a abordagem pessoal. “Diante da desobediência e resistência do grupo, que não acatou o pedido de revista e avançou contra os policiais, houve a necessidade de disparos de elastômero (balas de borracha), conforme prevê as técnicas de uso de Instrumentos de Menor Potencial Ofensivo (IMPO). Dois homens do grupo foram atingidos”, afirma a nota.

De acordo com a PM, o caso foi registrado na Delegacia de Polícia Civil de Eldorado dos Carajás, onde foi realizado um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) contra os invasores. A Polícia Militar informou ainda que a ação da equipe da Patrulha Rural será apurada por meio de procedimento administrativo, que será instaurado pelo Comando de Policiamento Regional II, com sede no município de Marabá.

Fonte: RomaNews e Uruatapera